quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O PRIMEIRO BEIJO




Foi com paixão de quem vai partir
Quando a ausência já era presente
A dor apertava a garganta da gente
Misturava-se às salgadas lágrimas.

Os olhos pediam tempo.
Confusos não se continham
O desejo maior que a dor
E lábios se beijaram com loucura!

Certos de que não viveríamos 
Sem nossos lábios se roçando,
Como o vento soprando 
Num grande campo de trigo.

Ou teríamos a dor que separa e sangra
Como as mais temidas ondas
Na hora da tempestade!

Vimos a morte quando em nós
Tudo queria vida!
Lábios, corpos em agonia,  
Batem, debatem, até que tudo serena.

Rosângela Brasil Gontijo