terça-feira, 29 de março de 2011

JOÃO DE BARRO

Ele fez tão forte a sua morada,
Num galho alto da arvore.
Protegida, dos homens,
Do vento, do frio,
Dos animais...
Enfeitou, coloriu o barro,
Esperando sua amada.
Ela entrou como uma rainha
Sentiu todo seu amor.
Raras vezes quis dali voar...
Passa o dia cantando, arrumando,
Esperando
O seu amado voltar.
Trazendo no seu biquinho
Alimento para o jantar.
São dois apaixonados
Não vêm o tempo passar.

Rosa Negra- Rosabgontijo- 09/09/2009