sábado, 26 de março de 2011

MÃE DIVINA

Meu espírito visitou minha avó
Dormia um sono profundo
Acordei com saudades da pessoa que tanto amei
Foi chamada de Mãe por todos que a conheceram.

Seus gestos e atitudes eram de Mãe,
Seu coração só amor, como de uma Mãe.
Foi mãe de tantos netos, de tanto afeto...
Mãe me dê a sua mão só mais uma vez...

Passeia comigo pelo quintal de braços dados,
Me mostra seu jardim, suas plantas,
Me mostra seus guardados debaixo de sete chaves,
Me conta uma história do seu tempo, de gente que não conheci...

Me leva para ver um filme bem romântico, que tem final feliz.
Me leva para ver o rio, na época das enchentes,
As vitrines na época do natal, o sino já chama para a missa,
Vamos ver o presépio, dar uma volta de ônibus, ver como sua terra cresceu.

Coloque seu vestido mais lindo, que tiro as roupas do varal...
Na volta me promete, me dê um abraço gostoso...
-Me faz um mingau bem quente, com canela, queijo,
Uma sangria fraquinha e doce, para tomar a noite, aquecer do frio.

E na cozinha me diz aquela poesia tão triste!
Me faz voltar ao passado, me diz da sua paixão,
Canta aquela musica que gosta, enche meus dias de sol...
Me fala de Deus, me ensina da vida, me faz sonhar com o céu!

Depois me acompanha até o portão, me segue com seu olhar,
Fica me olhando com seus olhos brilhando de amor,
Até que eu dobre a esquina e não me veja mais,

Rezando por mim, como fazem as mães, quando os filhos se vão...

E vou andando, seguindo, te imaginando voltando do alpendre, 
Sozinha, com seus passos cansados, dois corações apertados,
Sua mão bonita e fria, com seu olhar de Maria,
Como se soubesse, da saudade que hoje sentiria!

Para minha avó que era Mãe e Divina .

Saudades eterna de sua neta Rosângela Brasil Gontijo